Tumeric Extract (cúrcuma longa) 

Muito utilizada como condimento no preparo e conservação dos alimentos em países asiáticos, a cúrcuma longa é uma planta herbácea da família do gengibre. A planta conta com a presença de óleos voláteis, açúcares e proteínas. Entretanto, a substância ativa mais conhecida desta espécie é a curcumina, um flavonoide que exerce ação antioxidante, anti-inflamatória, antiviral e antifúngica.  

A ação anti-inflamatória ocorre através da inibição de moléculas envolvidas no processo inflamatório e pode ser administrada por via oral ou tópica. Além disso, determinados estudos demonstram que a principal substância ativa da cúrcuma longa possui potencial de inibir o crescimento de determinadas células cancerígenas, exerce ação hepatoprotetora, causa diminuição nos níveis de colesterol e triglicérides, auxilia na inibição da formação de úlceras e tem sido investigada sua aplicação no tratamento de doenças autoimunes, como por exemplo artrite reumatoide. Por fim, esta planta possui capacidade de auxiliar na imunidade no geral através da estimulação de anticorpos e também na imunomodulação.  

Gengibre  

O gengibre apresenta em sua composição diversas substâncias que atuam de maneira benéfica no organismo, como carboidratos, ômega 6, ômega 9, óleos voláteis, óleo-resina, entre outros. Os benefícios proporcionados pelo gengibre são, em grande parte, graças a presença de compostos fenólicos.  

Estudos indicam que o gengibre atua na atividade motora, possui efeito antipirético, analgésico, antioxidante, inibe a formação de vasos sanguíneos, é um potencial inibidor da metástase de câncer de mama, tem atividade antibacteriana, anti-inflamatória e imunomoduladora.  

Os componentes presentes no gengibre atuam em variadas vias envolvidas no processo inflamatório, e, consequentemente auxiliam no bom funcionamento do sistema imunológico.  

Elderberry extract  

O elderberry, fruto da espécie Sambucus nigra, é rico em antocianinas, além de conter carotenóides, fitoesteróis, polifenóis, vitaminas A, B1, B2, B6, B9, C e E, cálcio, potássio, magnésio e oligoelementos. As ações exercidas são antioxidantes, antivirais, antimicrobianas, anti-inflamatórias e imunoestimulantes.  

Estudos demonstram que o extrato possui atividade antimicrobiana contra diversos patógenos respiratórios, de modo a diminuir a gravidade e duração dos sintomas das doenças causadas por estes microrganismos. Outros estudos demonstram que preparações contendo extrato de elderberry exercem efeito na estimulação de citocinas inflamatórias auxiliando o sistema imunológico a combater patógenos e outras inflamações. Além disso, demais artigos apresentam que os componentes presentes no extrato de elderberry tem potencial antiviral contra os vírus HIV-1 e herpes simples tipo 1.  

Wellmune (funghi) 

O Wellmune é um beta-glucano extraído do cogumelo. Beta-glucanos são polímeros de glicose, que exercem ação imunomoduladoras atuando principalmente na imunidade inata na resposta contra vírus, bactérias e fungos. Também ativa macrófagos e neutrófilos estimulando atividades fagocíticas, citotóxicas e antimicrobianas. Além disso também possui atividades anti-inflamatórias, antioxidantes e antitumorais. 

Extrato puro de alho 

O alho contém aliina, composto organossulfurado que posteriormente é convertido em alicina, molécula biologicamente ativa. O extrato de alho possui ação benéfica na saúde, atuando na vasodilatação, na hipertensão arterial, na dislipidemia e até mesmo na prevenção de câncer de estômago, cólon e reto pois pode impedir a carcinogênese.   

Diversos estudos alegam a ação in vitro do alho contra vírus Influenza A e B, citolomegavírus, rinovírus, pneumonia viral, rotavírus e HIV. Entretanto, a atividade antibacteriana é mais conhecida e melhor elucidada, afinal a alicina possui atividade contra uma gama de bactéria Gram positivas e negativas. Também possui atividade antifúngica, principalmente contra Candida albicans, fungo causador da candidíase e atividade antiparasitária contra causadores da giardíase e amebíase. Outros estudos mostram que formulações contendo alho diminuíram a incidência de resfriados, bem como sua intensidade e duração. 

Vitamina C extra pure 

A vitamina C ou ácido ascórbico, é amplamente encontrada em frutas cítricas e é um potente antioxidante no combate a radicais livres. Ela auxilia tanto na imunidade inata quanto na imunidade adaptativa de maneira a melhorar as funções celulares. Além disso atua na função dos fagócitos, na produção de citocinas e na proliferação de linfócitos T.  

Em um estudo foi demonstrado que um grupo de indivíduos com infecções respiratórias como pneumonia e tuberculose pulmonar, possuíam um decréscimo na concentração plasmática de vitamina C. Deste modo associa-se o benefício da vitamina C contra doenças do sistema respiratório.  

Própolis verde 

Própolis é um produto resinoso composto por substâncias coletadas pelas abelhas melíferas. Sua composição é extremamente complexa e varia de acordo com o tipo de espécie de abelha e época do ano em que ocorre a coleta. O mecanismo de ação da própolis não é completamente elucidado, porém, esta possui ação antiviral, anti-inflamatória, antioxidante, antiparasitária e imunomoduladora, onde acontece a ativação de macrófagos aumentando a resposta imune.  

Além disso, determinados estudos indicam a possibilidade de a própolis possuir atividade antitumoral. Entretanto, novos estudos precisam ser delineados para afirmar e elucidar o mecanismo de ação. 

Desta maneira ao analisar as propriedades da própolis observa-se que a substância pode contribuir no bom funcionamento do sistema imunológico, no combate a inflamações e também, potencialmente, de tumores. 

Licopeno  

O licopeno é um carotenoide amplamente encontrado em frutas e vegetais avermelhados. Ele tem atividade antioxidante e é sugerido na prevenção da carcinogênese (formação de câncer) e aterogênese (formação de placas de ateroma). 

Além disso, o uso deste carotenoide tem sido associado a uma melhora na saúde cardiovascular, sendo inversamente associado com o risco de infarto agudo do miocárdio, desenvolvimento de doença coronária e redução dos níveis de colesterol LDL. 

Zinco 

O zinco é um mineral essencial para o desenvolvimento e atua como co-fator em mais de 300 enzimas envolvidas na síntese de DNA, imunidade, funções neurossensoriais, antioxidantes, além de outros processos. Diversos quadros, como, doença hepática crônica, doença renal crônica e doença falciforme, estão relacionados a deficiência deste mineral. Além disso, a falta de zinco também pode levar a alterações no paladar e olfato, diminuição da memória, espermatogênese prejudicada e depressão imunológica.  

O zinco é diretamente ligado ao sistema imunológico pois exerce papel importante sobre a estabilidade dos linfócitos, auxilia na prevenção de lesão peroxidativa protegendo as células do estresse oxidativo induzido pelas citocinas no processo pró-inflamatório. Ademais, o mineral contribui para que neutrófilos, macrófagos, células natural killer, linfócitos T e B cumpram as atividades as quais são responsáveis. 

Vitamina D 

A vitamina D é essencial em diversos processos fisiológicos, seu metabólito ativo é o calcitriol e seus precursores são a vitamina D3 (colecalciferol), vitamina D2 (ergosterol) e calcidiol. 80% a 90% da quantidade necessária desta vitamina para os seres humanos é sintetizada de maneira endógena através da exposição à luz solar, enquanto apenas de 10% a 20% é adquirida por meio da dieta a partir de seus precursores (vitamina D2 e D3).  

O calcitriol é essencial para saúde dos ossos através do metabolismo do cálcio, para o controle da pressão arterial e até para a prevenção do crescimento de células cancerígenas pois atua na regulação dos processos de diferenciação e multiplicação celular. Na imunidade a molécula atua no aumento da resposta inata, diferenciação de células do sistema imune, interfere na produção de citocinas e exerce efeitos imunomoduladores. 

 

AKRAM, Muhammad et al. Curcuma longa and curcumin: a review article.
Rom J Biol Plant Biol, v. 55, n. 2, p. 65-70, 2010.

BARAK, Vivian; HALPERIN, Tal; KALICKMAN, Inna. The effect of Sambucol, a black elderberry-based, natural product, on the production of human cytokines: I. Inflammatory cytokines. Eur Cytokine Netw, v. 12, n. 2, p. 290-296, 2001.
BURIAN, João Paulo. Efeito imunomodulatório e controle da infecção fúngica do extrato de alho (Allium sativum L.) em modelo murino de esporotricose. 2016.
CASTRO, Luiz Claudio Gonçalves de. O sistema endocrinológico vitamina D. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, v. 55, p. 566-575, 2011.
COSTA, Emily Silva et al. A relação da Vitamina C com o fortalecimento do sistema imunológico. SEMOC-Semana de Mobilização Científica-Envelhecimento em tempos de pandemias, 2020.
DE SOUZA OLIVEIRA, Dandara Hillary et al. A importância de uma alimentação saudável como forma de aumento da imunidade através das vitaminas e minerais. Research, Society and Development, v. 10, n. 12, p. e103101220305-e103101220305, 2021.
FISCHER, G. et al. Imunomodulação pela própolis. Arquivos do Instituto Biológico, v. 75, p. 247-253, 2021.
MILBURY, Paul E. et al. Bioavailablility of elderberry anthocyanins. Mechanisms of ageing and development, v. 123, n. 8, p. 997-1006, 2002.
PERES, Patrícia Mendes; KOURY, Josely Correa. Zinco, imunidade, nutrição e exercício. CERES: Nutrição & Saúde (Título não-corrente), v. 1, n. 1, p. 9-18, 2006.
RODRIGUES, Carla Pereira Fiuza et al. O papel da vitamina D no sistema imunológico e suas implicações na imunidade inata e adquirida. Novos Estudos, v. 2, n. 2, 2021.
SABIONI, Rafael Estevan. Estresse e imunomodulação por Beta-Glucano em Pacu (Piaractus mesopotamicus). 2014.
SHAMI, Najua Juma Ismail Esh; MOREIRA, Emília Addison Machado. Licopeno como agente antioxidante. Revista de Nutrição, v. 17, p. 227-236, 2004.
TAVARES, Isabella Morais et al. Efeitos da Curcuma longa em animais sadios submetidos a quimioterapia. Brazilian Journal of Development, v. 5, n. 12, p. 30697-30719, 2019.
VASCONCELOS, Andreanne Gomes. AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTI-INFLAMATÓRIA DE FRAÇÕES DE LICOPENO DA GOIABA (Psidium guajava L.). 2017.
VIEIRA, Nichelle Antunes et al. Efeito anti-inflamatório do gengibre e possível via de sinalização. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, v. 35, n. 1, p. 149-162, 2014.